Quais as vantagens dos investimentos de fundo referenciado?

Escrito por: - Publicado em: 05/04/2016

Qual a melhor forma de investir os seus recursos financeiros mais preciosos? Muitas pessoas, incapazes de acompanhar as variações diárias da Bovespa ou da economia, optam pelos fundos de investimento. Essa opção, que já está consolidada no mercado, é apontada por muitos como uma forma mais prática para proteger o seu dinheiro durante momentos econômicos difíceis.

 

No post de hoje vamos falar sobre esse tipo de aplicação financeira, ressaltando as vantagens de um modelo de fundo, o referenciado. Ficou interessado? Então leia o nosso post abaixo!

 

Afinal, o que é um fundo de investimento?

 

Um fundo de investimento é um tipo de aplicação em que uma instituição gerencia as receitas de vários investidores simultaneamente. Seu principal objetivo é aplicar esses recursos em uma carteira de títulos ou valores imobiliários que consigam gerar o maior lucro possível.

 

O fundo de investimento pode ser aberto ou fechado. No primeiro caso, as aplicações são permitidas a qualquer momento durante a existência do fundo. Já no segundo, cotistas podem investir apenas em períodos predeterminados e o resgate será permitido somente no final do contrato.

 

Ainda que o fundo de investimento possua CNPJ, ele não possui personalidade jurídica própria. Isso significa que, quando você investe em um fundo, está destinando a administração de seus recursos financeiros a terceiros, ou seja, contratando o serviço de investidores.

 

O que é o fundo referenciado?

 

Existe um tipo de fundo, o referenciado (também conhecido como fundo DI), que apresenta condições mais favoráveis em relação a investidores individuais. Isso acontece porque os recursos são captados de várias fontes, e o poder de barganha durante uma negociação tende a ser maior.

 

Quando a aplicação é feita em uma instituição sólida, o investidor contará com a especialização de vários consultores financeiros. Eles possuem acesso a um conjunto de recursos digitais que normalmente não estão disponíveis para o investidor individual e, em função disso, podem se adaptar mais rapidamente às mudanças do mercado. Também podemos destacar como as principais vantagens desse tipo de investimento:

 

Maior profissionalismo na gestão de recursos;

 

→ Transparência;

 

→ Conveniência;

 

→ Possibilidade de aplicar verbas em vários ativos simultaneamente;

 

→ Condições mais favoráveis na hora de realizar um investimento;

 

→ Maior diversificação.

 

Como funciona o fundo referenciado?

 

A melhor forma para descobrir se o fundo de investimento referenciado é o mais adequado ao seu perfil é conhecendo as suas principais características. Dessa forma, você conseguirá entender melhor como ele pode afetar a sua renda e a lucratividade da sua carteira.

 

Os fundos de investimento referenciados são fundos que acompanham o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) ou a taxa básica de juros brasileira (Selic). A construção da carteira é baseada, principalmente, em ativos indexados a esses índices. É o caso, por exemplo, dos Títulos do Tesouro pós-fixados.

 

Eles são indicados a momentos em que a taxa de juros está em crescimento em razão de aplicarem, em média, no mínimo 95% de seus recursos em títulos pós-fixados. Normalmente, o restante é investido em títulos com as mesmas regras dos fundos de curto prazo.

 

A maioria dos fundos DI aplica diretamente em Títulos da Dívida Pública. Isso os posiciona entre os fundos mais seguros do mercado. O seu desempenho, em alguns casos, chega a atingir valores próximos a 100% do CDI.

 

Apesar das taxas de administração, os fundos DI são uma ótima opção à caderneta de poupança, especialmente em um momento em que ela rende abaixo da inflação. Com uma rentabilidade igual ou maior do que a maioria dos CDBs e liquidez diária, essa opção protege o investidor da maioria dos movimentos da economia nacional.

 

Como os fundos de investimento são tributados?

 

A tributação dos fundos de investimento ocorre de acordo com a carteira do fundo. Os fundos de curto prazo, por exemplo, levam em consideração a duração da aplicação. A alíquota do IR é recolhida na fonte. Em caso de aplicações de até 180 dias, ela será de 22,50%. Já no caso das que são acima de 180 dias, a taxa é de 20%.

 

Os fundos de longo prazo possuem alíquotas de IR recolhidas com um princípio semelhante. Caso a aplicação dure até 180 dias, o valor da alíquota será de 22,50%. Se o período variar entre 181 e 360 dias, a taxa cai para 20%. Investimentos que duram entre 361 dias e 720 dias possuem alíquota de 17,5%, enquanto os que duram acima de 720 dias irão recolher 15% dos rendimentos.

 

O Imposto de Renda dos fundos de curto e longo prazo é recolhido semestralmente, no último dia útil dos meses de maio e novembro. Para recolhimento, utiliza-se a menor alíquota de cada tipo de fundo. Ela poderá ser ajustada posteriormente de acordo com o período de investimento.

 

Por fim, o IOF — Imposto sobre Operações Financeiras — incidirá nos resgates feitos em até um mês após a data da aplicação dos recursos.

 

Agora que você já sabe as vantagens do fundo referenciado, leia o nosso post sobre Tesouro Direto e saiba como o investimento no Estado pode ser rentável!

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Tesouro Direto: confira 3 dicas para investir nesta modalidade!
Por Equipe Organizze
Investimento para iniciantes: 3 dicas que vão te ajudar!
Por Equipe Organizze
3 armadilhas de investimentos: pirâmide, esquema Ponzi e bolha financeira
Por Luiz Roberto Brem de Almeida
Como avaliar a rentabilidade dos investimentos
Por Luiz Roberto Brem de Almeida
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).