Educação financeira infantil: entenda como ensinar seus filhos sobre finanças

Escrito por: - Publicado em: 10/08/2016

A aprendizagem na infância ocorre de forma simples e natural e guiará uma pessoa em todas as escolhas da adolescência e da vida adulta. Sendo assim, uma criança que tenha recebido lições sobre como lidar com o dinheiro terá mais facilidade de ser um adulto capaz de controlar seus gastos, ou seja, um melhor gestor da própria vida financeira.

 

Por isso, a educação financeira infantil é fundamental! Adotá-la em casa é uma forma de criar saudáveis hábitos de consumo e manter distante o consumismo, fonte de futuras angústias – e endividamentos. Acompanhe as informações a seguir e entenda como ensinar seus filhos a lidarem com dinheiro de uma forma positiva!

 

Planeje a educação financeira infantil para ocorrer com naturalidade

 

O melhor momento para iniciar as crianças no bom uso do dinheiro é aquele no qual elas demonstrarem curiosidade e começarem a fazer perguntas sobre o tema.

 

Assim, a educação voltada às finanças acontecerá no tempo certo, de forma leve e espontânea, progredindo de forma natural e adequada ao “pequeno aprendiz”.

 

Mostre que lazer e consumo têm diferenças

 

É comum as crianças associarem o “sair de casa” ao consumo e esse é um fator de risco para a instalação do comportamento consumista. Então, antes de sair para iniciar uma atividade, deixe claro de que tipo ela será: recreativa ou de compras.

 

Evite misturar ambas: o prazer de passear deve ser separado do ato de consumir. Isso, para evitar que haja distorção no real motivo do consumo, que deve ser ditado, principalmente, pelas necessidades.

 

Incentive a percepção de valores

 

Quando basta a criança manifestar suas vontades para ter o que quer, ela acaba não enxergando valores nas coisas. Isso porque tudo que for alcançado com muita facilidade lhe parecerá uma conquista pequena, insignificante.

 

Então, dê a sua criança a oportunidade de sentir o quanto são valiosas suas conquistas. Deixe-a merecê-las! Nada de comprar presentes fora de época, apenas porque a criança pediu. Relacione esforço e recompensa de maneira a agregar valor a todas as coisas, desde a menor delas.

 

Combine recompensas por tarefas

 

Uma forma de reunir dois importantes aprendizados, em uma só lição, é combinando recompensas com os pequenos. Delegue tarefas de acordo com a idade que têm! Eles aprenderão a buscar por meio do trabalho aquilo que querem e a terem autonomia, já que gerenciarão o dinheiro ganho – contando, claro, com a sua orientação e ajuda.

 

Explique que é preciso juntar para, depois, gastar

 

Nada de antecipações dos valores combinados: tem que haver um dia certo para que as recompensas sejam recebidas pela criança e possam ser gastas. Para esse processo ficar ainda mais estimulante e divertido, atribua uma recompensa a cada ação combinada e uma data para o recebimento da soma dos valores obtidos por meio delas.

 

Essa será uma grande lição de paciência e um importante ensaio da vida financeira adulta!

 

Acompanhe sua criança nas compras

 

Com o dinheirinho dos “combinados” em mãos, é hora de sair a campo com o pequeno comprador e aproveitar as oportunidades de ensino que aparecerão.

 

Permita, nesse momento de consumo, que a criança carregue seu próprio dinheiro, assim ela terá responsabilidade concreta sobre ele. Forneça meios para ela carregar suas notas e moedas com segurança, a fim de evitar que sejam perdidas – uma carteira ou porta-moedas será ideal para isso.

 

Antes da aquisição

 

É ótimo que a criança saia de casa já com foco no que vai comprar, para que não ocorram frustrações. É nessa hora de escolher o que será comprado que surgirão as dúvidas sobre o poder de compra de cada moeda e cédula. Então, aproveite a oportunidade para aplicar mais essa lição de educação financeira infantil.

 

Ao realizar as compras

 

Deixe que a criança pague por aquilo que comprar. Com isso, ela mesma realizará o ato da compra e verá seu dinheirinho sendo convertido em algo pelo qual ansiou.

 

Isso terá duplo efeito: por um lado, a sensação de ver o dinheiro ir embora, em contrapartida, a satisfação de ter algo novo. Essa dualidade de sentimentos, bem exercitada, aprimorará a capacidade dela fazer escolhas.

 

Depois das compras

 

Ao chegar em casa, converse com a criança sobre como foi a ida às compras. Ouça as impressões dela e use esse momento para, juntos, refletirem a respeito do que viram, fizeram e compraram. Se ela expressar algum arrependimento, use-o para ressaltar a importância do planejamento.

 

Ensine a diferença entre querer e precisar

 

Na hora de pensar junto com a criança o destino que ela dará ao dinheiro que conseguiu, é preciso estabelecer a diferença entre “o querer” e “o precisar”. Se ela quer, mas não precisa gastar seu dinheiro em algum item, explique que, por conta disso, faltará recurso para comprar um outro que é necessário.

 

Se ela insistir, assim mesmo, em fazer a compra, deixe que sinta as consequências: aprender com os próprios erros, quando eles ainda são pequenos e fáceis de reverter, é bastante eficaz!

 

Faça as crianças entenderem os custos domésticos

 

É mais fácil ensinar a uma criança como economizar água e luz quando ela passa a entender, efetivamente, que o dinheiro gasto com o pagamento de contas altas poderia ser utilizado em outra área.

 

Mostre a seus filhos que os recursos de casa, quando utilizados sem levar em conta a economia, produzem contas que reduzem a renda disponível para passeios e uma festa de aniversário, por exemplo. Converse, nessa hora, também, sobre a importância da preservação dos recursos naturais, iniciando o ensino da sustentabilidade.

 

Deixe a criança saber sobre a vida financeira da família

 

Dar à criança uma pequena noção do momento econômico que a família está vivenciando e de suas perspectivas de progresso financeiro, é uma maneira de engajá-la na tarefa de fazer bom uso dos recursos do lar e dar valor a sua utilização.

 

Fazer isso ajuda, ainda, a explicar os motivos que levam os pais a fazerem determinadas escolhas e a recusarem seus pedidos fora da programação. Isso é producente, também, sob mais um aspecto: leva ao desenvolvimento de um sentimento de participação ativa na causa familiar.

 

A educação financeira infantil é uma caminhada longa e produtiva, feita de pequenos passos a dar junto com suas crianças. Então, fique atento às possibilidades, entre elas a de enxergar sua própria relação com o dinheiro e seus hábitos de consumo de um jeito renovado. Lembre-se que ensinar pelo exemplo é, sempre, o método mais eficaz com as crianças!

 

Agora que você está mais preparado para começar a ensinar finanças para o seu filho, assine a nossa newsletter e receba artigos indispensáveis à saúde da sua vida financeira!

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

7 dicas para ensinar educação financeira para as crianças
Por Central do Evento
5 formas de ganhar dinheiro em 2022
Por Central do Evento
32 gastos que dão direito à restituição do imposto de renda
Por Central do Evento
4 dicas para tirar as metas financeiras do papel em 2022
Por Equipe Organizze
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).