Consumo responsável: o que considerar

Escrito por: - Publicado em: 12/04/2022

Por muito tempo o consumismo desenfreado fez parte da vida das pessoas. Entretanto, começou a se repensar nos impactos que isso traz e se realmente é necessário.

 

Um dos primeiros pontos a ser analisado foi o meio ambiente. Como o que extraímos produzimos poderia impactar a natureza. Posteriormente essa visão se ampliou.

 

O consumo responsável vai além do meio ambiente. Ele faz referência às práticas adotadas no cotidiano. Isso significa pensar no que se consome, de que forma os itens são produzidos e que impacto podem ter no meio ambiente, para os animais e seres humanos.

 

Inicialmente praticar o consumo responsável pode não ser uma tarefa fácil, afinal, é preciso pensar em diferentes pontos. Se deseja contribuir para a sociedade e o planeta, veja o que considerar ou fazer.

 

Conheça o ciclo de vida dos produtos

 

Saiba como os produtos são produzidos, desde a extração, processos industrializados, mão de obra empregada e destinação após o uso. 

 

Muitas empresas já possuem selos que certificam a origem de suas matérias-primas, isso permite entender melhor o processo. A transparência corporativa também ajuda a saber se não há mão de obra escrava empregada.

 

Além disso, é preciso conhecer a destinação final. Por exemplo, se uma empresa de equipamentos eletrônicos tem a responsabilidade de recolher os itens quebrados e enviar para reciclagem.

 

Saber esse ciclo permitirá que se adquira produtos que garantam o consumo sustentável. 

 

Apostar na economia solidária

 

A economia solidária visa dar mais independência aos produtos e prestadores de serviços. Esses não dependem mais de grandes empresas e se organizam em cooperativas.

 

A vantagem da economia solidária é que estimula a economia local, pois sua intenção é atender a comunidade da qual faz parte. Ela gera emprego, renda e contribui para o desenvolvimento local. 

 

Consumir o necessário

 

O consumo responsável prevê cortar tudo o que é supérfluo. Para isso, antes de ir às compras é necessário planejar. É preciso entender o que se precisa e o que será extra. 

 

A compra por impulso é um dos grandes vilões. Por isso, antes de fazer um consumo é preciso entender o que ele trará de positivo para sua vida e comunidade e quais são os impactos negativos que gera.

 

Aqui podemos repensar também na necessidade de compra. A economia do compartilhamento pode reduzir o desperdício. Por exemplo, em vez de comprar um cortador de grama para ser usado 2 vezes ao ano, ele pode ser alugado. Isso evita a compra desenfreada e gera renda para outra pessoa. 

 

Avaliar o impacto do consumo

 

Esse impacto pode estar relacionado a pequenas coisas. Por exemplo, ao abastecer o veículo. A queima da gasolina gera mais poluição que o GNV. Ter um carro com kit gás ajuda a diminuir a poluição.

 

A compra de alimentos deve ser repensada. Ao comprar produtos orgânicos de produtores locais se reduz o uso de pesticidas. Os agrotóxicos podem fazer mal à saúde, causar doenças e sobrecarregar o sistema de saúde. 

 

Já comprando orgânicos de locais se diminui o transporte, ganha saúde e faz a economia local ser movimentada. 

 

Não comprar produtos piratas

 

Os piratas ou contrabandeados são muitas vezes feitos de formas ilegais. Eles usam matérias-primas que não são seguras, possuem qualidade inferior e podem ter mão de obra escrava. 

 

É preciso consumir apenas itens de empresa que sejam responsáveis, atuem dentro das leis e tenham políticas que contribuam com a sociedade. 

 

Reutilizar o que for possível 

 

A reciclagem é importante e indispensável. O que muita gente não sabe é que ela pode ser feita dentro de casa.

 

A reutilização consiste em dar uma nova funcionalidade às coisas. Embalagens podem ser usadas no cotidiano em vez de postes de plástico. Uma calça velha pode virar uma bermuda ou bolsa. Um armário antigo pode ser útil para outra pessoa. 

 

A ideia é reaproveitar tudo o que for possível, seja da forma como ele se encontra ou dando uma nova roupagem a ele. 

 

Cobrar os políticos

 

Cada um deve fazer a sua parte e também cobrar os responsáveis. É preciso que os governantes sejam cobrados de práticas que permitam e incentivem o consumo responsável.

 

Acompanhe e exija que os políticos tenham ações que caminhem nessa direção. Além disso, nas eleições, eleja governantes que estejam alinhados com essa prática. 

 

O consumo responsável está relacionado a mudar o pensamento. Ele requer rever a forma como se consome e toda a cadeia produtiva. Dessa maneira se encontram os produtos que contribuem com a saciedade e contribuem para os cuidados com o meio ambiente. 

 

Por: Jeniffer Elaina, do site Smartia.com.br.

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

O que é e como fazer uma faxina financeira no início do ano?
Por Equipe Organizze
Black Friday: como economizar com compras para casa?
Por Viva Decora
Dicas de planejamento financeiro para viajar
Por Meu Patrimônio
Economizando em casa: cortinas comuns ou persianas, qual o mais barato e funcional?
Por Viva Decora
Sinta a felicidade de estar no controle de suas finanças

Cadastre-se grátis, e veja sua vida financeira mudar a partir de hoje.

Organizze

Faça como mais de 50 mil organizzados! Receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter suas finanças em ordem (e a newsletter mais legal do Brasil!!).